Tv pirata a cabo: Como funciona e o prejuízo que proporciona as operadoras

Tv pirata a cabo: Como funciona e o prejuízo que proporciona as operadoras
Avalie esse artigo!

20130504-130549.jpgA pirataria acontece de duas formas, com equipamentos instalados na casa dos assinantes, em conexões legalizadas, burlando o mesmo, o decoder é capaz de romper a proteção e o sinal recebido em casa. Isso faz com que o assinante de um plano básico, por exemplo, tenha acesso – sem pagar a mais.
A outra forma é comprando equipamentos, como AzBox, Az-America, Superbox, Phantom, entre outros, a grande maioria vem de lojas de camelô e diretamente do próprio Paraguai, neste caso, a antena é comprada a próprios técnicos oficiais de operadoras ou em lojas de eletrônicas, liberando assim a todos os canais da operadora, inclusive os mais fechados, como os pornôs.
A compra e a venda das caixas “decoder” são proibidas no Brasil desde 2012. Muitas são projetadas na Coreia do Sul e montadas na China.
Elas foram importadas durante muito tempo sob a chancela de serem “decoders” para antenas parabólicas. Mas os técnicos da ABTA descobriram um desvio de finalidade para os aparelhos.
Apesar da proibição, vários estabelecimentos e comerciantes que ficam na rua Santa Ifigênia, região central de São Paulo, vendem o equipamento sem muitas perguntas e ainda indicam um técnico para fazer a instalação. Apesar disso, várias lojas no centro de São Paulo, por exemplo, vendem o equipamento e indicam um técnico para fazer a instalação.
“Se a curva da pirataria continuar no ritmo atual, em cinco anos metade das assinaturas já fará uso dela.”
O custo desses aparelhos “piratas” caem vertiginosamente. Uma caixa AZbox “topo de linha”, vendida por até R$ 899 há um ano e meio, hoje é comercializada por R$ 299.
Vale ressaltar que o usuário de decoder ilegal, conhecido como Gatonet ou TV a gato, está conectado a uma rede ou descobrir senha legal. Isso expõe o assinante à Justiça, que corre o risco de ser indiciado por produzir danos a alguém. Portanto, a manobra é considerada um crime no Brasil.